quarta-feira

Finalmente pode descansar em paz!

Hoje perdi o que restava do meu segundo pai... o meu avô faleceu...
 Eu era a menina do avô, mimada em pequenina e educada desde criança por ele e pela minha avó, onde passava a maior parte do tempo, com quem passeava para todo o lado... nas minhas melhores memórias de infância, o rosto de um deles está lá! 
A casa estava sempre cheia de gente, amigos, empregados... família! Não era perfeito mas nunca nos deixou faltar nada, construiu do nada a casa onde morámos na esperança de lá gozar a velhice em paz... Tudo isto começou a mudar radicalmente, quando em 1998 teve um AVC que lhe paralisou todo o lado direito do corpo, chegou a estar em coma... foi nessa altura que me mudei definitivamente para lá, para os ajudar com as voltas da casa de banho, cadeira de rodas, levantar e deitar. Grávida consegui pô-lo a andar abraçado a mim, sem muleta nem nada! Ainda escreveu com a mão esquerda e fez a barba sozinho, comia, etc. 
Depois o André nasceu e quando começou a fazer fisioterapia, lá íamos os 3 na ambulância para a sessão com os dois, um de cada lado do ginásio. Os primeiros passos do neto foram apoiados pela cadeira do avô, mais tarde levava-o ao quintal para jogarem à bola... o meu avô, a sorrir, pegava com a mão esquerda na perna das calças do lado direito, lá arranjava maneira de chutar a bola e o mais novo ria e batia palmas de contente.
Mas os AVC's sucediam-se e cada vez deixavam mais sequelas... a empresa de construção desfez-se, a casa teve de ser vendida... passei a pagar uma renda por uma casa adaptada a todas as necessidades, mas deixá-los sós é que não! 
Em 2007 ficou acamado, perdeu praticamente a fala e algumas faculdades, passou a ser alimentado por sonda nasogástrica e a usar algália. A mão esquerda ainda conseguia controlar o telecomando e o rádio, não perdia um jogo do SLB, usava uma roca de bebé para nos chamar mas gradualmente foi desistindo...
No ano passado teve uma perfuração na bexiga e intestino, bactérias multi-resistentes avançavam no domínio do seu já débil corpo, ainda mais fragilizado pelas infecções respiratória e urinária, não bastava estar ligado ao oxigénio 24horas e as várias aspirações ao longo do dia. Estes últimos anos tinham sido de sustos e sofrimento, para ele e para nós... desistiu da tv e não os estores não podiam estar levantados, aquilo já não era vida! E ele estava compreensivelmente deprimido.
Ontem foi o penúltimo capítulo... o inem levou-o e passou a noite no hospital... a última... aguentou-se, não sei como, até ao início da tarde. 
Ainda não o vi, têm-me poupado ao máximo, mas amanhã durante o funeral é que vão ser elas! Tenho tentado manter a calma, para bem de nós os três... eu, o pequenote que aí vem e o Dé... que ainda não sabe e vou ter que ter uma atenção e sensibilidade extra. Hoje foi comigo à consulta de obstetrícia de manhã e à ecografia de tarde... já tínhamos combinado e achei que não devia desmarcar, ele teve a oportunidade de ver o mano e eu de sair deste mundo umas horas! O pequenino já pesa 2,029 Kg e tem cabelo (vê-se tão bem na imagem), deve chegar aos três quilos e pouco na altura do nascimento, a minha tensão tem estado relativamente controlada e o bebé mexe bem, como habitual. 
Fiquei um bocado ansiosa, como seria de esperar, mas fiz alguns exercícios respiratórios, bebi um chá de cidreira e fui relaxar para o quintal, tal como aconselhado pelo Saúde 24. Agora vou descansar, aqui no sofá, com as pernas elevadas e esperar pelo Anjo Maior, que tem tratado de tudo e ainda consegue orientar e amparar estas 3 mulheres que têm passado por tudo isto e muito mais... eu, a minha mãe e principalmente a minha avó...

2 comentários:

  1. Sim Paulinha és tu...,
    e que feliz teu avô se deve ter sentido com tanto amor de uma neta tão especial como tu!
    Hoje esteja ele onde estiver está descansado e feliz, e tu, assim como o Dé,bebé e toda a família, terá em vossos corações tudo de bom que ele vos transmitiu, desejo eu um dia, ser lembrada assim por meus netos!
    Agora precisas descansar,por ti, pelo Dé,bebé e por todos que ainda dependem de ti, um beijinho com todo o carinho do Mundo
    Quanto ao avô vê as coisas pelo lado positivo, recorda as coisas boas, e pensa que neste momento ele estará feliz, mais descansado,e sem sofrimento....
    Beijossss e muita força miúda.

    Maria M. Galvão

    ResponderEliminar

Deixem o rato de lado e escrevam-me, ok!?